Integrada pelo BNDES, rede de combate à corrupção busca agência para campanha educativa

0

A rede Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (ENCCLA), da qual o BNDES é membro, está convidando agências de publicidade a criar, produzir e divulgar uma campanha educativa de abrangência nacional contra a corrupção. A criação, produção e veiculação serão pro bono, e as agências poderão fazer uso das peças como forma de divulgação de sua marca, bem como inscrever a campanha em premiações e outras formas de divulgação a serem acordadas.

Empresas que tenham interesse em colaborar com a iniciativa devem manifestar interesse até o próximo dia 17, enviando e-mail para enccla@mj.gov.br. As peças serão veiculadas nos canais de comunicação próprios das instituições participantes da rede (entre as quais incluem-se órgãos dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário das esferas federal e estadual e, em alguns casos, municipal). A ENCCLA também buscará parcerias com portais de notícias, jornais, revistas e emissoras de rádio e TV.

São seis os objetivos principais: despertar a reflexão na sociedade sobre a importância do comportamento honesto; suscitar o debate sobre a corrupção do cotidiano; despertar a responsabilidade individual e coletiva na defesa do interesse público; aproximar atores públicos e privados para que se engajem na campanha; divulgar um edital de seleção de programas educacionais para prevenção primária à corrupção; e divulgar boas práticas e bons projetos de prevenção à corrupção. Após a manifestação de interesse por e-mail, novas informações serão divulgadas para direcionar a agência a apresentar uma proposta de trabalho com suas linhas gerais de criação, produção e veiculação.

Sobre a rede – A ENCCLA foi criada em 2003, para o arranjo e discussões em conjunto sobre o combate à corrupção e à lavagem de dinheiro. O objetivo é formular políticas públicas voltadas ao tema. O presente esforço de comunicação foi definido como uma das ações a serem desenvolvidas neste ano de 2017.

A coordenação está a cargo do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), com o auxílio da Secretaria de Governo (SEGOV). Além do BNDES, colaboram: Associação dos Delegados de Polícia Federal, AGU, Associação dos Juízes Federais, Associação Nacional dos Procuradores de Estado, Associação dos Membros de Tribunais de Contas do Brasil, Banco do Brasil, Caixa, Câmara dos Deputados, Governo do RS, CGU, Conselho da Justiça Federal, COAF, Conselho Nacional de Controle Interno, FEBRABAN, Fórum Nacional de Pró-Reitores de Graduação, Ministério da Defesa, MPF, ministério públicos de Maranhão, Pernambuco e Piauí, Ministério Público do Trabalho, Receita Federal e TCU.

Fonte: enccla.camara.leg.br

Compartilhar